Thick Sheet, ou aquelas placas de madeira da Prusa que quase não se fala na montagem

Todo mundo tem vontade de comprar as peças logo sair montando a Prusa de uma vez, mas a não ser que voce compre o kit completo, o deve sair barato por mais de R$ 3.000,oo, voce vai ter que correr atrás, ir em lojas desconhecidas do grande público, desmontar aparelhos para catar motores, fios ou rolamentos e adaptar bastante, o que convenhamos, é a parte mais legal.

Um destes dilemas foi quando precisei das bases de madeira para a mesa do eixo X. Ficou obscuro pelo wiki o que eu deveria fazer, onde entravam as placas se eram uma ou duas (algumas pessoas fazem só com uma) e fiquei sem saber o que fazer.

Opções no Thingiverse
Tem algumas diferentes, essas podem ser cortadas numa CNC laser ou router, mas o mais simples mesmo são as opções oficiais que o Muringa me passou do blog do Adrian.
http://www.thingiverse.com/thing:15888

Solução simples
Me foi passada pelo Muringa num pdf. É essa que estou seguindo. A rigor, não precisa destes desenhos mirabolantes feitos em sua maioria para economizar peso e melhorar a visualização e resfriamento pelos seus furos.
http://reprap.org/wiki/Thick_Sheet

Resumo
As placas podem ser feitas em qualquer material que aguente o tranco e não tem uma função tão especial assim para justificar um investimento alto. Para ficar no simples e barato, a maioria vai de MDF. A versão 2 (iteraction 2) da Prusa usa somente uma placa de 225mm×225mm sobre os rolamentos lineares. Os furos são simples de fazer também.

Anúncios

Fazendo uma serra de bancada com uma serra circular manual – Primeira parte

Serra já montada

Assim é que fica no final, agora só faltam a guia os pés para ficar completinha. Ainda estou na dúvida se faço com 1m ou bem mais baixo para ficar mais fácil de guardar em uma casa pequena como a minha.

Me desculpem a falta de atualização, não é falta de vontade mas peguei dois biscates (ou freela para os anglófilos ou hypes) de cinema que me arrancaram o couro nas ultimas duas semanas.

Como tudo tem o lado bom, fiquei responsável por acompanhar a montagem do cenário e  isso quer dizer que passei um bom tempo no galpão da Fábrica de Cenários aprendendo com o pessoal experiente e ralador que trabalha lá. Essa adaptação que fiz hoje foi uma dica do Lelson, cenotécnico e que sempre trabalha com a gente.

Eu sempre tive problema de precisão com os cortes a mão e achei que a serra circular ia me ajudar, ledo engano. Melhor que um serrote, só a serra de bancada para fazer um bom corte.

Tentando deixar a serra alinhada com a mesa

A minha principal preocupação foi com o alinhamento da serra, uma vez torto, os demais cortes iam padecer, a não ser que eu conseguisse fazer uma guia desalinhada para compensar.

1º Passo
Peguei um compensado de 20mm que meu amigo Chucrute me deu e usei para fazer a mesa. Depois tive que fazer uns furos na base da serra circular o que foi meio chato por causa da posição pois ela aparentemente não se destaca facilmente.

Furando a base da serra circular

É bom não usar a rotação muito alta, sempre vi pessoas mais experientes furarem e serrarem metal em uma rotação bem baixa.

Macetes:

  • Usei  um punção para marcar o metal para depois usar a broca de titanio.
  • Para furar, sempre vi nas fresas as pessoas usarem velocidades mais baixas com para furar metal, então usei uma “clutch driver” (que é uma parafusadeira/furadeira) com uma velocidade mais baixa e deu certo.

Mancadas:

  • Dois furos ficaram perto demais da borda, o que deu problema para rosquear, ficou firme mas feio, por cima da borda que tem um relevo, o que teoricamente da menos firmeza ao conjunto.
  • Use a broca do tamanho certo de uma vez. Furei com uma mais fina (4mm) achando que ia facilitar mas depois não consegui passar uma de 5mm para usar um parafuso mais pesado.

    Furos na base da serra circular

    Os furos já feitos. Infelizmente não calculei que um muito na beirada ia atrapalhar para usar a porca depois. Não repita o meu erro, faça com uma distância maior da borda.

2º Passo
Com a base da sera furada, já podemos marcar a madeira para ser furada. Na parte de cima é importante aumentar o diametro do buraco pois não podemos deixar os parafusos para fora atrapalhando as madeiras a deslizar aí em cima.

Furos maiores na base da serra circular

É importante na parte da cima que não haja obstáculos, portanto o parafuso deve ficar rebaixado na madeira, pode usar qulaquer coisa, eu ja usei essa broca que me resolvia.

Parafuso alojado
Assim não vai atrapalhar ninguém

Todo construtor e robista deve ter a mão barras roscadas com centenas de porcas e arruelas, como eu tinha aqui, me safei fácil para fazer os parafusos, fiz com 40mm e usei um travarosca numa porca e ficou muito bem preso.

Parafuso já no lugar

Aqui um detalhe com o parafuso já preso.

Fazendo o parafuso

Comprando as peças da Reprap reparei que era dificil achar parafusos de determinados tamanhos, então resolvi montar os meus com uma barra roscada, porcas e um travarosca de alta resistência, fica molezinha. Fiz com 40mm e a barra de 4mm.

3º Passo
Depois é só montar, o segredo aqui é levantar ao máximo a serra e fixa-la. Depois com a serra ligada é só baixar devagarinho e pronto, a cavidade que ela precisa para trabalhar está feita.

Serra toda levantada

Para ser presa, a serra deve estar toda levantada como na foto, desse jeito ela trisca 1 ou 2mm na madeira. Depois de presa abaixe ela lentamente até o batente, a minha desce até 2′ 1/2. Quando for usar, é só regular, sendo que o melhor corte é sempre deixar 1 dente acima da altura da madeira que voce vai cortar.

Aqui é um detalhe da regulagem da altura da lâmina. Deve variar de fabricante a fabricante “pero no mucho”.

Serra já montada

Assim é que fica visto de lado, é bem rapido de fazer e o segredo é levantar a serra toda, prender e depois baixar. Dica do Lelson.

Próximos passos
Pelas fotos da pra ver que o espaço aqui é crítico, mas vou dar um jeito e montar os pés com uma tomada e um disjuntor para ligar mais fácil de maneira mais segura, senão vou ter que abaixar e colocar a mão por detras da serra para ligar sem estar de olho na lamina acima da mesa.

Outra coisa que vai ser feita é uma boa guia. Lá no galpão, a rapazeada mede e prega um sarrafo, esse é o jeito mais simples impossível. Eu ja penso em colocar umas borboletas ou fazer um trilho com a tupia e prender por fora.

Segurança
É importante sempre cuidar da segurança, crianças! Não dem bobeira e nem façam isso com pressa. Não é bom usar serra com lampadas fluorescentes também pois pode acontecer de a luz piscar e dar a impressão que a serra está parada e voce perde uns dedinhos a toa. Um acidente com uma serra destas com mais de 1HP é bem horrível de se ver.

Posts relacionados
Fazendo uma serra de bancada com uma serra circular manual: melhorias – parte 2
Fazendo uma serra de bancada com uma serra circular manual: base – parte 3

Um motivo para ter vontade de imprimir 3D: Thingverse

Montar a impressora é legal. Alguns gostam mesmo é de fazer a engenhoca (né Wazen? Bora botar esta CNC para funcionar!) e depois já querem partir para outra coisa mais complexa. Bom, eu ainda estou pensando no que imprimir e já tenho a minha lista.

Para quem não conhece, o Thingiverse, é um site que é uma espécie de repositório de  objetos open source reproduzíveis. Voce pode baixar os arquivos CAD ou 3D, melhorar, modificar e… imprimir! Tem para todos os processos: reprap, laser CNC, router, resina.

Tem muita papagaiada, aliás, ainda não entendi porque o mestre Yoda ainda é o mais baixado quando tem tanta coisa útil para ser impressa… enfim. Logo abaixo tem uma lista de coisas em que eu fiquei de olho. Dêem uma olhada:
http://www.thingiverse.com/

Minitorno (Lathe) impresso na Reprap:

Minitorno do Thingiverse, esse requer alguns rolamentos e eixos lineares, que são molezinha de conseguir, qualquer impressora velha te dá isso. Consegui umas 20 barras num scanner esta semana. Link dos arquivos: http://www.thingiverse.com/thing:9242

Esse é mais simples!

Esse é mais simples ainda. Link para os arquivos: http://www.thingiverse.com/thing:1570

Centrífuga
Que tal imprimir uma centrífuga já aprovada nos EUA para mandar brasa nas suas amostras? Quanto é uma aqui no BR? Caro? Aqui voce pode comprar uma mini retífica, imprimir esta peça e pronto… com R$ 100,oo e alguns cuidados básicos de segurança voce tem uma ultracentrífuga.

Este modelo usa tubos Eppendorf de 1.5ml/2ml. A 3.000 RPM ela dá 400g de carga, a 10.000 RPM 4400g e a 30.000 RPM (alguns modelos de Dremell chegam a isso) ela vai a 50,000 vezes a força da gravidade o que a põe no território das ultracentrífugas.
Mais informações e documentação em: http://www.thingiverse.com/thing:1483

E aí, o que voces querem imprimir?

Sensor de distância no Arduíno

Ontem fiz a minha primeira aplicação com os sensores do Arduíno pois já estava incomodado por ter ele lá parado na estante há uns 6 meses me olhando sem ser usado. De início desejo aprender a ler os esquemas de eletrônica e montar meus apetrechos para o barco e para algum projeto do mestrado (que depois descobri não valorizar produtos). Comecei pelo sensor ultra-som de distância HCSR04.

O sensor é aquele com dois copos metálicos, um emite o ultrassom e o outro recebe. Então, ele pega quanto tempo o som demorou para voltar e calcula a distância. Simples, né?

Preço: Aqui no Brasil, R$ 20,oo a 50,oo. 
No ebay $ 3USD com entrega.
Precisão: 3mm
Distância máxima: 45/50cm
Datasheet do sensor HCSR04

Erros:
Eu já tinha testado o Arduino antes só com um código de piscar os leds com um programinha simpes sem problema algum. Mas ontem quando eu compilava qualquer código, mostrava 0 erros de código mas sempre voltava a mensagem:

avrdude: stk500_getsync(): not in sync: resp=0x30
avrdude: stk500_disable(): protocol error, expect=0x14, resp=0x51

Tinha um monte de besteiras nos fóruns, falando pra dar reset repetidamente, tirar e colocar o cabo usb rapidamente (o que acho pode queimar ou perder a ROM) mas no final das contas depois de 1 hora aprendi que é só mudar a porta COM. A minha estava COM3 e ao mudar para a COM5 funcionou, compilou e instantaneamente já começou a receber as informações na janela de serial.

Primeira pegadinha
O programa do Arduino já vem com uma biblioteca e código pronto para um sensor de distância, só que não é este que eu tenho. Pelos tutoriais, o outro sensor só tem três pinos: alimentação 5V, GND (neutro), e o que transmite os dados. Esse meu separa o dado em entrada e saida, então tem 4 pinos. Então, tem que tomar cuidado para não montar tudo no automático sem prestar muita atenção e fazer qualquer coisa que não funcione. Tive que dar uma pesquisada no sensor específico e por sorte tinha bastante documentação, com o porém de a maioria ser de mais alto nível, sem estas minhas questões de iniciante.

Sensor montado com o arduino e breadboard

Conjunto em ação, mas esta configuração não foi a que funcionou.

Instalação de biblioteca
Sempre que um código chama um “qualquerCoisa.h” ele está chamando uma library. Só que este sensor não tinha esta library instalada no console do Arduino e demorei mais uma hora até ter calma de ler a documentação e ver o que deveria fazer. Aqui vai um passo a passo:

  1. Baixar a libray do sensor ou qualquer outro hardware que voce espetar, elas tem dois arquivos pelo menos um “qualquerCoisa.h” e um “qualquerCoisa.ccp”;
  2. Copiar para o diretório do programa do Arduino, na pasta de libraries criando uma pasta para ele.
  3. Reiniciar o programa, com isso já vai aparecer no menu e quando voce fizer a chamada, não vai mais receber o erro de biblioteca não localizada.

Documentação oficial
http://arduino.cc/it/Reference/Libraries

Conclusão:
Tudo funcionou como o esperado, fiz o esquema mais simples possível. Seguindo e lendo os tutorais oficiais e o datasheet não tem erro. Sempre vão surgir dúvidas, mas só se aprende fazendo e com a internet fica tudo muito mais fácil. Meus próximos passos serão colocar um display com as informações do sensor e um outro monitor de temperatura jogando os dados na internet.

Sensor de distância sendo testado

Agradecimentos
Bom, não poderia deixar de citar e agradecer as pessoas que conheci e fiz amizade no encontro CNC de Campinas e que estamos mantendo contato. O Wazen me emprestou um monte de coisas (entre elas o RFID) e está sempre mostrando coisas novas e incentivando pra eu fazer alguma coisa nova e o José Maia que me mandou os tutorais de protoboard e esquemas de eletrônica quando eu nem sabia por onde começar. Valeu!