Log de Montagem: dia 27/06 – Instalação das correias

Como sempre digo, o que eu faria sem a ajuda dos amigos que eu fiz na comunidade Reprap? Em São Cristóvão não achei as correias T5, quem me safou mais uma vez foi o Roberto (tb conhecido como RJ, ‘Inoxidável’ ou na praia como ‘O Esbelto’).

Eixo X
Como a correia era menor do que os furos padrão, tive que refazer os furos mais perto das bordas para ganhar alguns centímetros, ai trabalheira de novo, tira mesa, bota mesa, mede, fura, coloca de novo.

1º Problema: Correia mais baixa
Me incomodou um pouco a correia estar uns 5mm mais baixa que a polia. Aí fiquei mexendo a mesa pra e pra cá para sentir o movimento, e percebi que nas finais de curso ela ficava mais presa, deduzi que por causa da diferença de altura. Então eu usei a presilha da correia como base, com issso ficou na mesma altura e peguei uma pecinha que veio no meu kit e nem o Muringa sabia pra que servia e usei para prender por cima. Ficou jóia.

Correia t5 Reprap Prusa Belt

A correia de início ficou muito baixa forçando mais o fim de curso do eixo X

Alteração na altura,

Alteração na altura, usei a presilha como base, mas poderia ter sido um pedacinho de MDF ou qualquer outro material. Assim correu bem mais macio, encaixando direitinho no final.

2º Problema: Motor encosta na presilha da barra lisa do eixo X
Depois de todo este trabalho, ainda me acontece isso. Levando em conta que este motor esquenta bastante, ainda seria bom ter uns cm sobrando para colocar um dissipador de calor ou uma ventoinha.

Aí cheguei todo o conjunto cerca de 1cm para o lado, o que é fácil mas tem que furar a mesa mais umas vezes para colocar as correias de novo…

Mesa do eixo X

Aqui tive que deslocar os furos para a direita para o motor não encostar na presilha do lado esquerdo. A mesa ficou toda furada.

Eixo Y
É um eixo chato de trabalhar porque depois de tudo montado, o espaço é pequeno. Tem um detalhe adicional que é o seguinte: meu hotend é maior do que o buraco do carrinho, então tem que ficar grudado o tempo todo, o que atrapalha um pouco também.

Assim deu ruim!

Não ficou nada bom inverter a direção da extrusora! A correia passava raspando na engrenagem, ainda bem que existe o grupo de estudos para resolver uma questão destas.

O problema aqui foi que mesmo depois de olhar diversas fotos, quebrar a cabeça, ter certeza absoluta do que estava a fazer, no final das contas a correia estava encostando no motor!

Diferença de altura dos motores de passo

O motor da direita é um Kizan que comprei na Ultimachine para a extrusora, o outro é do Maia (gentilmente emprestado) que ele comprou no Alibaba.com, troquei eles de lugar (do eixo X para extrusora) na esperança de não encostar mais na correia, mas continuou com o problema.

Fui para a solução mais simples: virar ao contrário, só que ficou pior, a engrenagem grande encostava na correia. Aí pedi arrego, mandei para o fórum (https://groups.google.com/forum/?fromgroups#!forum/reprapbr), em 30 minutos já tinha algumas respostas com a solução!

Carriage na diagonal

A solução é simples: prender a extrusora na diagonal. Valeu grupo de estudos! Aparentemente assim o peso do motor que fica bem mais no alto, fica no meio do carrinho também o que deve ser bom, favorecendo o equilíbrio.

A solução é bem simples: prender na diagonal. Incrível que mesmo tendo 6 furos (3 de cada lado) que possibilitam prender o carro na diagonal, a minha cabeça só visualizava ele reto (ou virado para a frente ou para trás).

Referências:
Escolha das correias 

Anúncios

Mais sobre motores de passo

Antes de mais nada, quero deixar claro que ainda não montei a minha Prusa e as peças ainda estão chegando (Muringa, cade as peças? rs), portanto tudo o que eu falar é resultado das minhas pesquisas principalmente no grupo (http://groups.google.com/group/reprapbr)  e dúvidas de leigo.

Motor de passo

Corte de um motor de passo

No momento estou me debruçando sobre os motores e percebendo que a grande questão é a sua compatibilidade com a eletrônica. São algumas variáveis que eu não conhecia e recorri a galera do grupo de estudos Reprapbr sobretudo o Alain Mouette que teve a gentileza de responder as perguntas e complementar com algumas informações.

Dimensões do motor:
Seu motor vai ter que caber e ser parafusado/encaixado nas partes impressas. O tamanho parão é NEMA17 (um padrão interessante para estudar como curiosidade), isso significa que tem 1,7 polegadas, ou 42mm de lado.

Segundo o Alain, o comprimento do motor é diretamente relacionado com a força do motor. Os maiores são de 48mm, portanto recomendados. Ele não acha que faça diferença um de 40mm, mas o menores são mais fracos.

As demais especificações como eixo de 5mm são as mais comuns, o projeto já foi feito para simplificar se for diferente vai ter que adaptar.

Torque
Para o extrusor tem que ter no mínimo 4.4 N/m de torque (1N = 1Kg.f), o que dá 61 oz/in (onças por polegada). Em Steppers nunca se avalia a “potência”, mas sim o torque (holding torque).
Para o extruder é bom um motor forte, para os eixos XY é bom um motor forte e rápido, para o Z pode ser mais fraquinho porque os movimentos são lentos e muito desmultiplicados por causa da barra roscada.

Para os demais movimentos, acho que não necessita tanto, mas é altamente recomendado ter os outros motores iguais entre si por que senão vai ser bem dificil
regular, sincronizar e calibrar.

Dica:
Só acho anúncios em oz/in, como achar o torque?
http://www.alwayslearn.com/conversion/torque.html

Dados mais dificil mas importante:

  1. Resistência (Ohms).
    Segundo o Alain, os drivers atuais das RepRaps são bons, mas devem aguentar 1.8A bem no limite.
    Isso é realmente importante, mas tem um motivo por trás: o mesmo motor (exatamente) é fornecido enrolado com diversos fios diferentes. Em geral um é para alimentar com 12V sem limitação de corrente, a resistência é a mais alta, e é o mais fraco. Os demais são enrolados com fio progressivamente mais grosso, isso diminui a resistência, mas principalmente a indutância, mas como muitas vezes só se sabe a resistência serve como avaliação grosseira.Esses demais motores precisam de um driver com limitação de corrente, bem mais complexo, mas conseguem uma velocidade melhor porque o torque cai menos com a velocidade.É comum alimentar motores com 20 a 50 vezes a tensão nominal, mas o driver custa muito mais caro… e temos que nos limitar a 12V (no caso do Alain, ele usa 24V).

Sobretudo pra quem é pão duro como eu e gosta de economizar, a tentação de comprar promoções no ebay, alibaba.com, goodbuy etc é grande porém é bom prestar atenção a estes detalhes antes de fechar a compra. Aqui vai uma dica que rolou lá na lista: um motor com 1.7A de resistência, torque e corrente bons.

Mais uma vez, gostaria de agradecer ao Alain Mouette pela paciência e boa vontade de responder as perguntas cujas respostas estão aqui.

Escolhendo polias e correias: GT2 vs. T5

Post baseado/traduzido de: http://reprap.org/wiki/Choosing_Belts_and_Pulleys

O projeto original da Prusa usa correias T5 (padrão métrico) ou XL(imperial) visando baixar os custos e a facilidade de obtenção, no entanto esse conjunto talvez seja o componente mais importante e decisivo para uma boa impressão depois do extrusor e do “hot end”. Resumindo, o perfil T é trapezoidal e o T5 é de 5mm. Parece simples.

T ou GT? Eis a questão...

O que está errado?
Polias: Quando se trata de trabalhar com precisão, usar uma polia feita em uma reprap mesmo bem calibrada, tem um fator multiplicador de erro. O próprio Prusa depois de um tempo recomendou o uso de polias usinadas.

É, acho que essa polia pode melhorar...

Formatos: Os padrões T5 e XL são feitos para sincronização de movimentos e não para movimentos lineares, o que provoca um ricochete que mesmo imperceptível, vai influenciar na calibragem e exatidão dos movimentos. A coisa piora se voce usar correia e polia de padrões diferentes.

Como resolver o problema?
Segundo o wiki que por sua vez se baseou na experiencia da Mendel Max, a solução é usar polias para movimento linear, onde se encaixa o padrão GT2. Esta correia tem um dente arredondado que garante maior suavidade e precisão no encaixe da poliam principalmente na mudança de direção, onde o dente trapeizodal pode escorregar ate encontrar alguma resistência. Pelo depoimento há uma melhora imediata principalmente em pequenos detalhes e orifícios.

No entanto, nada do que falamos ou lemos é absoluto. Há discussões infindáveis e sem vencedores sobre ao invés de usar T5, usar T2.5 com uma polia ainda menor obtendo resultados ótimos com um preço bem inferior. Foi isso que o Henrique Muringa fez e demonstrou os resultados no blogue dele.

Como escolher?
Na minha opinião de leigo, o melhor é sempre usar o padrão ou algo já testado pela comunidade. Então vou pular as divagações sobre a quantidade de dentes em contato (6, 12 ou 18) com a polia e passar para o que usaram: 36 dentes. É isso ou a formula do Muringa é boa também e já testada!

Material: Plástico (policarbonato), parece que é condizente com o esforço e desgaste sofridos, e são bem mais em conta, mas dependendo de onde voce comprar, pode achar de aluminio por menos de USD 3,oo, mas prepare-se para mandar muitos emails.

CAD da polia

Difícil visualizar só com os números? Você pode baixar um modelo CAD para tirar a dúvida e ver se encaixa na sua Prusa gambiarrada!

Gostaria muito de achar fornecedores nacionais. Alguém indica? A sugestão será muito bem vinda no blog e na comunidade Reprap. 

O Muringa comprou polias de alumínio por um preço muito, muito bom! Ele fez com o padrão T mas com um passo menor. Tentei comprar também pelo Alibaba.com mas não consegui taxas de frete boas, diz ele que conseguiu.

Referências:
Guia da Misumi, fornecedor de equipamentos de automação
Guia da SPDSI, outro fornecedor.
http://www.botoufortune.com.cn/ que foi onde o Muringa comprou as dele.